Lisaac

Sementes da Palavra, É tempo de semear

Arquivo por mês: maio 2020

mai 31

LEITURA DIÁRIA: É PRECISO CAMINHAR COM DEUS

ESPÍRITO SANTO DE DEUS - 2020

DOMINGO DE PENTECOSTES – 31/05/2020

26Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai e comei, isto é meu corpo.27Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos,28porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados.29Digo-vos: doravante não beberei mais desse fruto da vinha até o dia em que o beberei de novo convosco no Reino de meu Pai. 31Disse-lhes então Jesus: Esta noite serei para todos vós uma ocasião de queda; porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho serão dispersadas (Zc 13,7).32Mas, depois da minha Ressurreição, eu vos precederei na Galileia. (Mt 26, 26-31.32)

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At 2,1-11) –

1Quando chegou o dia de Pentecostes, os discípulos estavam todos reunidos no mesmo lugar. 2De repente, veio do céu um barulho como se fosse uma forte ventania, que encheu a casa onde eles se encontravam. 3Então apareceram línguas como de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. 4Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito os inspirava. 5Moravam em Jerusalém judeus devotos, de todas as nações do mundo. 6Quando ouviram o barulho, juntou-se a multidão e todos ficaram confusos, pois cada um ouvia os discípulos falar em sua própria língua. 7Cheios de espanto e admiração, diziam: “Esses homens que estão falando não são todos galileus? 8Como é que nós os escutamos na nossa própria língua? 9Nós que somos partos, medos e elamitas, habitantes da Mesopotâmia, da Judeia e da Capadócia, do Ponto e da Ásia, 10da Frígia e da Panfília, do Egito e da parte da Líbia próxima de Cirene, também romanos que aqui residem; 11judeus e prosélitos, cretenses e árabes, todos nós os escutamos anunciar as maravilhas de Deus na nossa própria língua!”      

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

SALMO RESPONSORIAL: Sl  103(104)

R. Enviai o vosso Espírito, Senhor, / e da terra toda a face renovai.

1. Bendize, ó minha alma, ao Senhor! / Ó meu Deus e meu Senhor, como sois grande! / Quão numerosas, ó Senhor, são vossas obras! / Encheu-se a terra com as vossas criaturas! 

R. Enviai o vosso Espírito, Senhor, / e da terra toda a face renovai.

2. Se tirais o seu respiro, elas perecem / e voltam para o pó de onde vieram. / Enviais o vosso espírito e renascem / e da terra toda a face renovais. 

R. Enviai o vosso Espírito, Senhor, / e da terra toda a face renovai.

3. Que a glória do Senhor perdure sempre, / e alegre-se o Senhor em suas obras! / Hoje, seja-lhe agradável o meu canto, / pois o Senhor é a minha grande alegria! 

R. Enviai o vosso Espírito, Senhor, / e da terra toda a face renovai.

SEGUNDA LEITURA:

LEITURA DA PRIMEIRA CARTA DE SÃO PAULO AOS CORÍNTIOS – (1Cor  2,3-7.12-13)

Irmãos, 3ninguém pode dizer: “Jesus é o Senhor”, a não ser no Espírito Santo. 4Há diversidade de dons, mas um mesmo é o Espírito. 5Há diversidade de ministérios, mas um mesmo é o Senhor. 6Há diferentes atividades, mas um mesmo Deus que realiza todas as coisas em todos. 7A cada um é dada a manifestação do Espírito em vista do bem comum. 12Como o corpo é um, embora tenha muitos membros, e como todos os membros do corpo, embora sejam muitos, formam um só corpo, assim também acontece com Cristo. 13De fato, todos nós, judeus ou gregos, escravos ou livres, fomos batizados num único Espírito, para formarmos um único corpo, e todos nós bebemos de um único Espírito.         

 – Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Jo 20,19-23

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

19Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: “A paz esteja convosco”. 20Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor. 21Novamente, Jesus disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”. 22E depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo. 23A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem não os perdoardes, eles lhes serão retidos”.      

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mai 31

COMENTÁRIO SOBRE O EVANGELHO – MONS. JOSÉ MARIA PEREIRA

ZÉ MARIA - 2018

SOLENIDADE DE PENTECOSTES – MISSÃO DO ESPÍRITO SANTO –

*Mons. José Maria Pereira –

A Solenidade de Pentecostes, que celebramos no dia de hoje, encerra o tempo litúrgico da Páscoa. Com efeito, o Mistério Pascal – a Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo, e a sua Ascensão ao Céu – encontra o seu cumprimento na poderosa efusão do Espírito Santo sobre os Apóstolos congregados com Maria, Mãe do Senhor, e com os demais discípulos. Foi o “batismo” da Igreja, batismo no Espírito Santo (At 1,5). Como narram ao Atos dos Apóstolos, na manhã da festividade do Pentecostes, um fragor como que de um vento investiu o Cenáculo e sobre cada um dos discípulos desceram como que línguas de fogo (At 2, 2-3). São Gregório Magno comenta: “Hoje, o Espírito Santo desceu com um som repentino sobre os discípulos e transformou as mentes de seres carnais no interior do seu amor, e enquanto apareceram externamente línguas de fogo, no interior os corações tornaram-se flamejantes porque, acolhendo Deus na visão do fogo, arderam suavemente por amor”. A voz de Deus diviniza a linguagem humana dos Apóstolos, que se tornam capazes de proclamar de modo “polifônico” o único Verbo divino. O sopro do Espírito Santo enche o Universo, gera a fé, leva à verdade e predispõe a unidade entre os povos. “Ouvindo aquele ruído, reuniram-se muitas pessoas e admiravam-se que cada um as pudesse ouvir falar na sua própria língua”, sobre as “maravilhas de Deus” (At 2, 6. 11).

 Pentecostes era uma das grandes festas judaicas; muitos israelitas iam nesses dias em peregrinação a Jerusalém, para adorar a Deus no Templo. A origem da festa remontava a uma antiquíssima celebração em que se davam graças a Deus pela safra do ano, em vésperas de ser colhida. Depois acrescentou-se a essa comemoração, que se celebrava cinquenta dias depois da Páscoa, a da promulgação da Lei dada por Deus no monte Sinai. Por desígnio divino, a colheita material que os judeus festejavam com tanto júbilo converteu-se, na Nova Aliança, numa festa de imensa alegria: a vinda do Espírito Santo com todos os seus dons e frutos.

Hoje é a plenitude do Mistério Pascal, com o Dom do Espírito Santo à Igreja. É o nascimento da Igreja. O Pentecostes é o cumprimento da promessa de Jesus: “… se Eu for, enviá-lo-ei” (Jo 16,7).

O Evangelho de São João oferece-nos uma palavra que concorda muito bem com o mistério da Igreja criada pelo Espírito. Esta é a palavra que saiu duas vezes da boca de Jesus na noite de Páscoa: “Shalom, a paz esteja convosco!” (Jo 20, 19.21). A expressão “Shalom” não é uma simples saudação; é muito mais: é o dom da paz prometida (Jo 14, 27) e conquistada por Jesus ao preço do seu Sangue, é o fruto da sua vitória na luta contra o espírito do mal. Portanto, trata-se de uma paz “não como o mundo a oferece”, mas como somente Deus a pode conceder.

Naturalmente, é bom ressaltar, de maneira prioritária, o Sacramento da Reconciliação (Sacramento da Confissão), que Cristo instituiu no mesmo momento em que comunicou aos discípulos a sua paz e o seu Espírito. Como está na página evangélica, Jesus soprou sobre os Apóstolos e disse-lhes: “Recebei o Espírito Santo. “A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem não os perdoardes, eles lhes serão retidos” (Jo 20, 21 – 23). Como é importante e, infelizmente, compreendido de forma insuficiente o dom da Reconciliação, que pacifica os corações! A paz de Cristo só se difunde através dos corações renovados dos homens e das mulheres reconciliados, que se tornaram servidores da justiça, prontos a espalhar pelo mundo a paz, unicamente com a força da verdade, sem fazer compromissos com a mentalidade do mundo, porque o mundo não pode doar a paz de Cristo: eis como a Igreja pode ser fermento daquela reconciliação que provém de Deus. Só pode sê-lo se permanecer dócil ao Espírito e der testemunho do Evangelho, se carregar a Cruz como e com Jesus. É precisamente isto que testemunham os Santos e as santas de todos os tempos!

“Recebei o Espírito Santo” (Jo 20, 22) Autorizava-os a perdoar os pecados. Portanto, o Espírito Santo manifesta-se aqui como força do perdão dos pecados, da renovação dos nossos corações e da nossa existência; e assim Ele renova a Terra e onde havia divisão cria unidade

A vinda do Espírito Santo no dia de Pentecostes não foi um acontecimento isolado na vida da Igreja. O Paráclito santifica-a continuamente, como também santifica cada alma, através das inúmeras inspirações que se escondem em “todos os atrativos, movimentos, censuras e remorsos interiores, luzes e conhecimentos que Deus produz em nós, prevenindo o nosso coração com as suas bênçãos, pelo seu cuidado e amor paternal, a fim de nos despertar, mover, estimular para o amor celestial, para as boas resoluções, para tudo aquilo que, numa palavra, nos conduz à nossa vida eterna. A sua ação na alma é suave e aprazível; Ele vem salvar, curar, iluminar” (São Francisco de Sales).

No dia de Pentecostes, os Apóstolos foram robustecidos na sua missão de anunciarem a Boa Nova a todos os povos. Todos os cristãos têm, desde então, a missão de anunciar, de cantar as maravilhas que Deus fez no seu Filho e em todos aqueles que creem n’Ele. Somos agora um povo santo para publicar as grandezas d’Aquele que nos tirou das trevas para a sua luz admirável.

Ao compreendermos a grandeza da nossa missão, compreendemos também que ela depende da nossa correspondência às moções do Espírito Santo, e sentimo-nos necessitados de pedir-lhe frequentemente que lave o que está manchado, regue o que está seco, cure o que está doente, acenda o que está morno, retifique o que está torcido. Porque sabemos bem que no nosso interior há manchas, e partes que não dão todo o fruto que deveriam porque estão secas, e partes doentes, e tibieza e também pequenos desvios, que é necessário retificar.

Não se pode conceber vida cristã nem Igreja sem a presença e a ação do Espírito Santo!

Depois que Jesus completou a sua obra, constituído Senhor a partir de sua Ressurreição, envia ao mundo o seu Espírito, o Espírito do Pai. Conforme São João (Cf. Jo 20,19-23), Jesus comunica o seu Espírito, o mesmo Espírito que Ele entregou ao Pai no dia da Ressurreição. Para isso, sopra sobre eles, transmitindo-lhes a vida nova, a força, o Espírito Santo: “Recebi o Espírito Santo…” e o Dom do Perdão e da Reconciliação.

O Espírito Santo nos conduz à vida de oração. A vida cristã requer um diálogo constante com Deus Uno e Trino, e é a essa intimidade que o Espírito Santo nos conduz. Acostumemo-nos a procurar o convívio com o Espírito Santo, que é quem nos há de santificar; a confiar n’Ele, a pedir a sua ajuda, a senti-lo perto de nós. Assim se irá dilatando o nosso pobre coração, teremos mais ânsias de amar a Deus e, por Ele, a todas as criaturas.

A chama do Espírito Santo transformou totalmente os apóstolos. Que essa mesma chama ilumine e aqueça a nossa vida no caminho da Unidade, do Bem e da Verdade!

“O Espírito Santo vem em socorro de nossa fraqueza”, diz S. Paulo (Rom. 8,26). Diz São João da Cruz que o Espírito Santo, com a sua chama está ferindo a alma, gastando e consumindo-lhe as imperfeições dos seus maus hábitos.

Na Carta aos Gálatas, São Paulo recorda que “o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, lealdade, mansidão, domínio próprio” (5, 22). Estes são os dons do Espírito Santo que invocamos também hoje para todos os cristãos, para que, no serviço comum e generoso ao Evangelho, possam ser no mundo sinal do amor de Deus pela humanidade. “ Todos eles perseveravam na oração em comum, junto com algumas mulheres e Maria, Mãe de Jesus” (At 1, 14).Confiemos todos à intercessão da Virgem Maria, que hoje contemplamos no Mistério glorioso do Pentecostes. O Espírito Santo, que em Nazaré desceu sobre ela para a tornar a Mãe do Verbo encarnado (Lc 1, 35), desceu hoje sobre a Igreja nascente reunida à sua volta no Cenáculo (At 1, 14).  Invoquemos com confiança Maria Santíssima, Santuário do Espírito Santo, para que obtenha uma renovada efusão do Espírito sobre a Igreja dos nossos dias e por meio dela oremos:  “Vinde, Espírito Santo, cumulai os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor”. Amém!

Por isso, cantemos: Vem, vem, vem, vem Espírito Santo de Amor, vem a nós, traz à Igreja em novo vigor.

À Virgem Maria, templo do Espírito Santo, confiemos a Igreja, a fim de que viva sempre de Jesus Cristo, da sua Palavra e dos seus mandamentos, e sob a ação perene do Espírito Paráclito anuncie a todos que “Jesus é o Senhor!” (1 Cor 12, 3).

_____________________________________________________

*Monsenhor José Maria Pereira, Sacerdote da Diocese de Petrópolis, é, também, Professor, Juiz do Tribunal Eclesiástico Interdiocesano de Niterói e Diocesano de Petrópolis e Vigário da Paróquia de São José do ItamaratI, enviando para o site, semanalmente, a homilia do domingo.

mai 31

LEITURA ORANTE: FREI LUDOVICO GARMUS

LUDOVICO GARMUS

PENTECOSTES – RECEBEI O ESPÍRITO SANTO!

*Por Frei Ludovico Garmus, ofm –

ORAÇÃO: “Ó Deus que, pelo mistério da festa de hoje, santificais a vossa Igreja inteira, em todos os povos e nações, derramai por toda a extensão do mundo os dons do Espírito Santo, e realizai agora no coração dos fiéis as maravilhas que operastes no início da pregação do Evangelho”.

1. PRIMEIRA LEITURA: At 2,1-11

Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar.

João coloca a doação do Espírito Santo no dia da Páscoa, quando Jesus ressuscitado aparece aos apóstolos reunidos no Cenáculo (Evangelho). O evangelho de Lucas (cap. 24), também, situa no mesmo dia as manifestações de Jesus Ressuscitado aos discípulos de Emaús e aos apóstolos, concluindo com a promessa do Espírito Santo e a Ascensão de Jesus ao céu. Nos Atos dos Apóstolos, porém, a Ascensão acontece quarenta dias após a Páscoa e, dez dias depois, na festa judaica de Pentecostes, a vinda do Espírito Santo. Na origem, Pentecostes era uma festa agrícola ligada à colheita do trigo, celebrada sete semanas após a festa da Páscoa. Era uma festa de peregrinação. Nesta festa o israelita devia comparecer diante de Deus e apresentar os primeiros frutos da colheita do trigo. No II século a.C., a festa de Pentecostes passou a comemorar a promulgação da Lei de Moisés no Sinai, feita 50 dias após a saída do Egito (cf. Ex 19,1-16). Na teofania do Sinai, a descida de Deus era acompanhada por “trovões, relâmpagos (...), fortíssimo som de trombetas (...) em meio ao fogo” (Ex 19,16-19). Rabi Johanan dizia a respeito: A voz divina “saiu e se repartiu em setenta vozes ou línguas, de modo que todos os povos a entendessem; e cada povo ouviu a voz em sua própria língua”. Lucas conhecia tal tradição. Por isso fala que a doação do Espírito se dá em meio a um “barulho” e “forte ventania”. Com a voz do Sinai, repartida em setenta línguas, a Lei de Moisés tornou-se conhecida em todo o mundo e unia os judeus dispersos no Império Romano. Agora, a partir de Jerusalém (At 1,8), também o Evangelho é pregado a todos os povos, citados em nosso texto. A diversidade das línguas nas quais cada um entendia a mensagem do Evangelho é um convite aos apóstolos e discípulos, impulsionados pelo Espírito Santo, a levarem a mensagem de Jesus a todos os povos e culturas. Quando Lucas escreve, de certa forma, todos os povos do Império Romano estão ouvindo a mensagem do Evangelho, levada pelos discípulos e discípulas que aprenderam ou conheciam suas línguas.

SALMO RESPONSORIAL: Sl 103

Enviai o vosso Espírito, Senhor,

e da terra toda a face renovai.

2. SEGUNDA LEITURA: 1Cor 12,3b-7.12-13

Fomos batizados num único Espírito,

para formarmos um único corpo.

Paulo fala longamente para a comunidade de Corinto sobre os dons do Espírito Santo (1Cor 11,2-16; 12,1–14,39). Sem estes dons, nada podemos fazer, nem mesmo dizer: “Jesus é o Senhor”. Os dons ou “carismas” são “atividades”, serviços ou manifestações do Espírito “em vista do bem comum”; cada membro presta serviço para o bem do mesmo corpo. Paulo usa a imagem do corpo que tem muitos membros, mas forma uma única unidade. O Espírito nos unifica num só Corpo com o Cristo: “judeus ou gregos, escravos ou livres, fomos batizados num único Espírito”. O Espírito Santo distribui seus dons ou carismas em vista do bem da comunidade, e não para distinguir esta ou aquela pessoa. A manifestação do Espírito se dá em todos os membros da comunidade. Não é privilégio do clero, dos religiosos ou de “grupos carismáticos”. O projeto imperial de Babel era de impor o domínio, unindo todas as raças e culturas por meio de uma só língua (Gn 11,1-9: primeira leitura da Vigília). Deus, porém, pôs fim a tal domínio, multiplicando as línguas e culturas. É na diversidade de línguas e culturas que Deus quer ser louvado e adorado. Em Pentecostes Deus refaz a unidade pela mensagem do Evangelho, a ser anunciado a todos os povos, preservando, porém, as diferentes culturas e raças. O que nos une é a linguagem do amor a Deus e ao próximo (Evangelho).

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO:

Vinde, Espírito Divino,

e enchei com vossos dons os corações dos fiéis;

e acendei nele o amor como um fogo abrasador.

3. EVANGELHO: Jo 20,19-23

Assim como o Pai me enviou, também eu vos envio:

Recebei o Espírito Santo!

No domingo da Ascensão ouvimos, no evangelho de Lucas, que Jesus prometia aos discípulos enviar-lhes a “força do alto”, o Espírito Santo, antes de começarem a anunciar “a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações”. Hoje, segundo João, Jesus no dia de sua ressurreição, se manifesta aos discípulos e concede o dom do Espírito Santo e a paz. Depois de lhes dizer “a paz esteja convosco”, Jesus se identifica, mostrando-lhes as mãos e o lado perfurados. Ele é o mesmo Jesus crucificado, que cumpriu sua missão, a obra de nossa salvação e volta ao Pai (Jo 20,17). Antes, porém, deixa-nos a tarefa de continuar a sua missão: “Como o Pai me enviou também eu vos envio”. Ao voltar para junto do Pai, Jesus promete estar sempre conosco: “Eis que estou convosco, todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28,20). A presença de Cristo se dá pelo seu Espírito, o Advogado e Consolador, que estará sempre ao lado de seus discípulos. Pelo dom de sua vida Jesus nos reconciliou com Deus, manifestando o amor misericordioso do Pai. O presente da Páscoa que nos deixa é o Amor: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados”. Agora confia aos seus discípulos a missão de manifestar este mesmo amor misericordioso: “A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados...”. O perdão dado e recebido reconstrói os vínculos do Amor, reconstrói a paz. “Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus”, que é Amor (Mt 5,9). Nossa missão é vivermos o que anunciamos aos outros. Para isso recebemos a “força do alto”, o Espírito Santo.

_______________________________________________________

* Frei Ludovico Garmus é Doutor em Exegese Bíblica, Professor de Exegese no Instituto Teológico Franciscano-ITF, em Petrópolis, escritor, conferencista e colabora com o nosso Blog, autorizando a reprodução de textos e de reflexões de sua autoria.

mai 30

LEITURA DIÁRIA: É PRECISO CAMINHAR COM DEUS

BÍBLIA - 2019

7ª SEMANA DA PÁSCOA – SÁBADO – 30/05/2020 –

26Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai e comei, isto é meu corpo.27Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos,28porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados.29Digo-vos: doravante não beberei mais desse fruto da vinha até o dia em que o beberei de novo convosco no Reino de meu Pai. 31Disse-lhes então Jesus: Esta noite serei para todos vós uma ocasião de queda; porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho serão dispersadas (Zc 13,7).32Mas, depois da minha Ressurreição, eu vos precederei na Galileia. (Mt 26, 26-31.32)

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At  28,16-20.30-31) –

16Quando entramos em Roma, Paulo recebeu permissão para morar em casa particular, com um soldado que o vigiava. 17Três dias depois, Paulo convocou os líderes dos judeus. Quando estavam reunidos, falou-lhes: “Irmãos, eu não fiz nada contra o nosso povo nem contra as tradições de nossos antepassados. No entanto, vim de Jerusalém como prisioneiro e, assim, fui entregue às mãos dos romanos. 18Interrogado por eles no tribunal e não havendo nada em mim que merecesse a morte, eles queriam me soltar. 19Mas os judeus se opuseram, e eu fui obrigado a apelar para César, sem nenhuma intenção de acusar minha nação. 20É por isso que eu pedi para ver-vos e falar-vos, pois estou carregando estas algemas exatamente por causa da esperança de Israel”. 30Paulo morou dois anos numa casa alugada. Ele recebia todos os que o procuravam, 31pregando o reino de Deus. Com toda a coragem e sem obstáculos, ele ensinava as coisas que se referiam ao Senhor Jesus Cristo.                          

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO:  Jo 21,20-25

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 20Pedro virou-se e viu atrás de si aquele outro discípulo que Jesus amava, o mesmo que se reclinara sobre o peito de Jesus durante a ceia e lhe perguntara: “Senhor, quem é que te vai entregar?” 21Quando Pedro viu aquele discípulo, perguntou a Jesus: “Senhor, o que vai ser deste?” 22Jesus respondeu: “Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, o que te importa isso? Tu, segue-me!” 23Então, correu entre os discípulos a notícia de que aquele discípulo não morreria. Jesus não disse que ele não morreria, mas apenas: “Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, que te importa?” 24Este é o discípulo que dá testemunho dessas coisas e que as escreveu; e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro. 25Jesus fez ainda muitas outras coisas, mas, se fossem escritas todas, penso que não caberiam no mundo os livros que deveriam ser escritos.                            

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mai 29

LEITURA DIÁRIA: É PRECISO CAMINHAR COM DEUS

BÍBLIA - 2019

7ª SEMANA DA PÁSCOA – SEXTA-FEIRA – 29/05/2020 –

26Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai e comei, isto é meu corpo.27Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos,28porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados.29Digo-vos: doravante não beberei mais desse fruto da vinha até o dia em que o beberei de novo convosco no Reino de meu Pai. 31Disse-lhes então Jesus: Esta noite serei para todos vós uma ocasião de queda; porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho serão dispersadas (Zc 13,7).32Mas, depois da minha Ressurreição, eu vos precederei na Galileia. (Mt 26, 26-31.32)

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At  25,13-21) –

Naqueles dias, 13o rei Agripa e Berenice chegaram a Cesareia e foram cumprimentar Festo. 14Como ficassem alguns dias aí, Festo expôs ao rei o caso de Paulo, dizendo: “Está aqui um homem que Félix deixou como prisioneiro. 15Quando eu estive em Jerusalém, os sumos sacerdotes e os anciãos dos judeus apresentaram acusações contra ele e pediram-me que o condenasse. 16Mas eu lhes respondi que os romanos não costumam entregar um homem antes que o acusado tenha sido confrontado com os acusadores e possa defender-se da acusação. 17Eles vieram para cá e, no dia seguinte, sem demora, sentei-me no tribunal e mandei trazer o homem. 18Seus acusadores compareceram diante dele, mas não trouxeram nenhuma acusação de crimes de que eu pudesse suspeitar. 19Tinham somente certas questões sobre a sua própria religião e a respeito de certo Jesus que já morreu, mas que Paulo afirma estar vivo. 20Eu não sabia o que fazer para averiguar o assunto. Perguntei então a Paulo se ele preferia ir a Jerusalém, para ser julgado lá. 21Mas Paulo fez uma apelação para que a sua causa fosse reservada ao juízo do augusto imperador. Então ordenei que ficasse preso até que eu pudesse enviá-lo a César”.                          

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO:  Jo 21,15-19

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

Jesus manifestou-se aos seus discípulos 15e, depois de comerem, perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?” Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse: “Apascenta os meus cordeiros”. 16E disse de novo a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro disse: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas”. 17Pela terceira vez, perguntou a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas. 18Em verdade, em verdade te digo, quando eras jovem, tu te cingias e ias para onde querias. Quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres ir”. 19Jesus disse isso significando com que morte Pedro iria glorificar a Deus. E acrescentou: “Segue-me”.                            

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/                

mai 28

LEITURA DIÁRIA: É PRECISO CAMINHAR COM DEUS

BÍBLIA - 2019

7ª SEMANA DA PÁSCOA – QUINTA-FEIRA – 28/05/2020 –

26Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai e comei, isto é meu corpo.27Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos,28porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados.29Digo-vos: doravante não beberei mais desse fruto da vinha até o dia em que o beberei de novo convosco no Reino de meu Pai. 31Disse-lhes então Jesus: Esta noite serei para todos vós uma ocasião de queda; porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho serão dispersadas (Zc 13,7).32Mas, depois da minha Ressurreição, eu vos precederei na Galileia. (Mt 26, 26-31.32)

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At  22,30; 23,6-11) –

Naqueles dias, 30querendo saber com certeza por que Paulo estava sendo acusado pelos judeus, o tribuno soltou-o e mandou reunir os chefes dos sacerdotes e todo o conselho dos anciãos. Depois fez trazer Paulo e colocou-o diante deles. 23,6Sabendo que uma parte dos presentes eram saduceus e a outra parte eram fariseus, Paulo exclamou no conselho dos anciãos: “Irmãos, eu sou fariseu e filho de fariseus. Estou sendo julgado por causa da nossa esperança na ressurreição dos mortos”. 7Apenas falou isso, armou-se um conflito entre fariseus e saduceus e a assembleia se dividiu. 8Com efeito, os saduceus dizem que não há ressurreição, nem anjo, nem espírito, enquanto os fariseus sustentam uma coisa e outra. 9Houve, então, uma enorme gritaria. Alguns doutores da lei, do partido dos fariseus, levantaram-se e começaram a protestar, dizendo: “Não encontramos nenhum mal neste homem. E se um espírito ou anjo tivesse falado com ele?” 10E o conflito crescia cada vez mais. Receando que Paulo fosse despedaçado por eles, o comandante ordenou que os soldados descessem e o tirassem do meio deles, levando-o de novo para o quartel. 11Na noite seguinte, o Senhor aproximou-se de Paulo e lhe disse: “Tem confiança. Assim como tu deste testemunho de mim em Jerusalém, é preciso que sejas também minha testemunha em Roma”.                          

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO:  Jo 17,20-26

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos ao céu e rezou, dizendo: 20“Pai santo, eu não te rogo somente por eles, mas também por aqueles que vão crer em mim pela sua palavra; 21para que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, e para que eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste. 22Eu dei-lhes a glória que tu me deste, para que eles sejam um, como nós somos um: 23eu neles e tu em mim, para que assim eles cheguem à unidade perfeita e o mundo reconheça que tu me enviaste e os amaste como me amaste a mim. 24Pai, aqueles que me deste, quero que estejam comigo onde eu estiver, para que eles contemplem a minha glória, glória que tu me deste porque me amaste antes da fundação do universo. 25Pai justo, o mundo não te conheceu, mas eu te conheci, e estes também conheceram que tu me enviaste. 26Eu lhes fiz conhecer o teu nome e o tornarei conhecido ainda mais, para que o amor com que me amaste esteja neles e eu mesmo esteja neles”.                            

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/                

mai 27

LEITURA DIÁRIA: É PRECISO CAMINHAR COM DEUS

BÍBLIA - 2019

7ª SEMANA DA PÁSCOA – QUARTA-FEIRA – 27/05/2020 –

26Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai e comei, isto é meu corpo.27Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos,28porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados.29Digo-vos: doravante não beberei mais desse fruto da vinha até o dia em que o beberei de novo convosco no Reino de meu Pai. 31Disse-lhes então Jesus: Esta noite serei para todos vós uma ocasião de queda; porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho serão dispersadas (Zc 13,7).32Mas, depois da minha Ressurreição, eu vos precederei na Galileia. (Mt 26, 26-31.32)

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At  20,28-38) –

Naqueles dias, Paulo disse aos anciãos da Igreja de Éfeso: 28“Cuidai de vós mesmos e de todo o rebanho, sobre o qual o Espírito Santo vos colocou como guardas para pastorear a Igreja de Deus, que ele adquiriu com o sangue do seu próprio Filho. 29Eu sei, depois que eu for embora, aparecerão entre vós lobos ferozes, que não pouparão o rebanho. 30Além disso, do vosso próprio meio aparecerão homens com doutrinas perversas que arrastarão discípulos atrás de si. 31Por isso, estai sempre atentos: lembrai-vos que durante três anos, dia e noite, com lágrimas, não parei de exortar a cada um em particular. 32Agora, entrego-vos a Deus e à mensagem de sua graça, que tem poder para edificar e dar a herança a todos os que foram santificados. 33Não cobicei prata, ouro ou vestes de ninguém. 34Vós bem sabeis que estas minhas mãos providenciaram o que era necessário para mim e para os que estavam comigo. 35Em tudo vos mostrei que, trabalhando desse modo, se deve ajudar os fracos, recordando as palavras do Senhor Jesus, que disse: ‘Há mais alegria em dar do que em receber’”. 36Tendo dito isso, Paulo ajoelhou-se e rezou com todos eles. 37Todos, depois, prorromperam em grande pranto e, lançando-se ao pescoço de Paulo, o beijavam 38aflitos, sobretudo por lhes haver ele dito que não tornariam a ver-lhe o rosto. E o acompanharam até o navio.                          

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO:  Jo 17,11-19

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos para o céu e rezou, dizendo: 11“Pai santo, guarda-os em teu nome, o nome que me deste, para que eles sejam um assim como nós somos um. 12Quando eu estava com eles, guardava-os em teu nome, o nome que me deste. Eu guardei-os e nenhum deles se perdeu, a não ser o filho da perdição, para se cumprir a Escritura. 13Agora, eu vou para junto de ti e digo estas coisas, estando ainda no mundo, para que eles tenham em si a minha alegria plenamente realizada. 14Eu lhes dei a tua palavra, mas o mundo os rejeitou, porque não são do mundo, como eu não sou do mundo. 15Não te peço que os tires do mundo, mas que os guardes do maligno. 16Eles não são do mundo, como eu não sou do mundo. 17Consagra-os na verdade; a tua palavra é verdade. 18Como tu me enviaste ao mundo, assim também eu os enviei ao mundo. 19Eu me consagro por eles, a fim de que eles também sejam consagrados na verdade”.                           

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/              

mai 26

LEITURA DIÁRIA: É PRECISO CAMINHAR COM DEUS

BÍBLIA - 2019

7ª SEMANA DA PÁSCOA – TERÇA-FEIRA – 26/05/2020 –

26Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai e comei, isto é meu corpo.27Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos,28porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados.29Digo-vos: doravante não beberei mais desse fruto da vinha até o dia em que o beberei de novo convosco no Reino de meu Pai. 31Disse-lhes então Jesus: Esta noite serei para todos vós uma ocasião de queda; porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho serão dispersadas (Zc 13,7).32Mas, depois da minha Ressurreição, eu vos precederei na Galileia. (Mt 26, 26-31.32)

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At  20,17-27) –

Naqueles dias, 17de Mileto, Paulo mandou um recado a Éfeso, convocando os anciãos da Igreja. 18Quando os anciãos chegaram, Paulo disse-lhes: “Vós bem sabeis de que modo me comportei em relação a vós durante todo o tempo, desde o primeiro dia em que cheguei à Ásia. 19Servi ao Senhor com toda a humildade, com lágrimas e no meio das provações que sofri por causa das ciladas dos judeus. 20Nunca deixei de anunciar aquilo que pudesse ser de proveito para vós nem de vos ensinar publicamente e também de casa em casa. 21Insisti com judeus e gregos para que se convertessem a Deus e acreditassem em Jesus, nosso Senhor. 22E agora, prisioneiro do Espírito, vou para Jerusalém sem saber o que aí me acontecerá. 23Sei apenas que, de cidade em cidade, o Espírito Santo me adverte, dizendo que me aguardam cadeias e tribulações. 24Mas de modo nenhum considero a minha vida preciosa para mim mesmo, contanto que eu leve a bom termo a minha carreira e realize o serviço que recebi do Senhor Jesus, ou seja, testemunhar o evangelho da graça de Deus. 25Agora, porém, tenho a certeza de que vós não vereis mais o meu rosto, todos vós entre os quais passei anunciando o reino. 26Portanto, hoje dou testemunho diante de todos vós: eu não sou responsável se algum de vós se perder, 27pois não deixei de vos anunciar todo o projeto de Deus a vosso respeito”.                          

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO:  Jo 17,1-11

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus ergueu os olhos ao céu e disse: “Pai, chegou a hora. Glorifica o teu Filho, para que o teu Filho te glorifique a ti 2e, porque lhe deste poder sobre todo homem, ele dê a vida eterna a todos aqueles que lhe confiaste. 3Ora, a vida eterna é esta: que eles te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e àquele que tu enviaste, Jesus Cristo. 4Eu te glorifiquei na terra e levei a termo a obra que me deste para fazer. 5E agora, Pai, glorifica-me junto de ti, com a glória que eu tinha junto de ti antes que o mundo existisse. 6Manifestei o teu nome aos homens que tu me deste do meio do mundo. Eram teus e tu os confiaste a mim, e eles guardaram a tua palavra. 7Agora eles sabem que tudo quanto me deste vem de ti, 8pois dei-lhes as palavras que tu me deste, e eles as acolheram e reconheceram verdadeiramente que eu saí de ti e acreditaram que tu me enviaste. 9Eu te rogo por eles. Não te rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus. 10Tudo o que é meu é teu, e tudo o que é teu é meu. E eu sou glorificado neles. 11Já não estou no mundo, mas eles permanecem no mundo, enquanto eu vou para junto de ti”.                           

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/              

mai 25

EDITORIAL DA SEMANA: PROCURA PELA FELICIDADE?

ONDE ESTÁ AFELICIDADE

SE A FELICIDADE EXISTE, DE QUE LADO ELA ESTÁ?

*Por L. A. de Moura – 

Você, que fala vários idiomas, conhece a língua dos anjos, fala com Deus, ouve os espíritos, é assíduo leitor e, vez por outra, escreve algumas poesias, talvez traga no peito e na alma uma simples indagação, acreditando que eu seja capaz de te fornecer uma resposta satisfatória: se a felicidade existe, de que lado ela está? Você, certamente, não é o primeiro a carregar este questionamento na alma. Muitos séculos antes de você esta pergunta já era feita aos sábios de cada época.

Bem, obviamente que eu não possuo as qualidades intelectuais, nem as capacidades técnicas que você possui. Também, não me enquadro na categoria “sábio”, desta era em que vivemos. Portanto, em tese, eu seria a última pessoa a me atrever a responder à sua pergunta. Entretanto, valendo-me do muito pouco que aprendi na e com a vida, e diante do silêncio geral ao seu questionamento, vou me atrever a responder, do meu jeito, é claro, à sua pertinente indagação.

Existem boas teorias acerca da felicidade. Cada qual mais engenhosa, mais atraente, mais sedutora mas, por fim, com pouco ou nenhum efeito prático. Para os mais sábios deste nosso tempo, duas fontes aptas para a formação e para a própria identificação da felicidade, seriam o amor e o poder. O amor, que para Pausânias, significava Eros, um amor livre, ainda que perseguido e condenado, mas que, com aguerrida luta, deveria conseguir o seu espaço próprio no seio da sociedade. Este mesmo amor é visto de outra forma por Aristófanes, para quem o amor, em rápidas palavras, é a busca constante por nossa cara metade, por nossa alma gêmea, enfim, pelo nosso “outo lado”.

Na lógica destes dois nobres senhores, cujas vozes são trazidas à tona por Platão, na obra “O Banquete”, o amor, ou o Eros, é o elã que, em dado momento, encaixa-se como uma luva e aí, sim, sobrevém a felicidade. Dá pra perceber que esta busca constante por viver um “amor de verdade”, seja pelo reconhecimento social, ou mesmo por meio do encontro com a “alma gêmea” ou pela localização da “cara metade”, é a meta de muitos seres humanos ao longo de todos os séculos que nos separam dos nossos amigos gregos.

Na outra ponta, vamos encontrar os sábios de hoje, deste pleno século XXI, para os quais – que dispensam a citação nominal em razão da impossibilidade prática de tal trabalho – a felicidade advém da realização pessoal que, nada obstante, tem no status social a sua grande e segura alça. Status social, aqui, é aquela condição de vida que te permite ser reconhecido(a) como alguém que, seja lá quais foram os meios utilizados, chegou lá. Chegar lá, significa alcançar tudo o que mais desejou na vida. Ou, alcançar tudo o que todos, normalmente, desejam. E aí você vai ao infinito, tamanha a quantidade de possibilidades de coisas e de degraus a serem trazidos para junto de você.

Bem, profissionalmente, a gente sabe que a coisa não caminha de forma tão fácil. Quando terminamos a quarta série do ensino médio, a diretora da escola, tia Margarida, chega em sala e diz: “meninos e meninas, preparem-se, pois, a partir do ano que vem, vocês serão muito mais felizes. Terão várias disciplinas, cada uma com o seu próprio professor e vocês irão, de fato, levantar voo”. A expectativa é grande e, no ano seguinte, a impressão que você tem é que pouco, ou nada, mudou: matérias em quantidade assustadora, exercícios, trabalhos, provas, notas, aprovação, reprovação, broncas etc.

No nono ano, porém, o diretor da escola, Professor Durval entra em sala e diz: “rapazes e moças, preparem-se. Ano que vem a vida de vocês vai, finalmente, decolar, vocês entrarão na órbita acadêmica e, daí pra frente, ninguém mais lhes impedirá de serem muito felizes”. O ensino médio traz poucas diferenças. Nada parecido com “felicidade”. Mas, no último ano, o diretor, Professor Sinval aparece em sala e diz: “prezados jovens, preparem-se: as portas da felicidade está para ser aberta para vocês. Estamos no ano do ENEM e isso significa que, no próximo ano, vocês, finalmente, serão muito felizes, pois, a vida universitária é o máximo que um jovem pode almejar em seus primeiros anos de marcha rumo à uma carreira brilhante e feliz”. Você, nesta fase, recorda já ter ouvido esta lenga-lenga algumas outras vezes, mas, otimista, vai em frente, ainda, acreditando que a felicidade, agora, já deve estar próxima, talvez, na esquina seguinte, onde fica localizada a Universidade.

Ao adentrar no ambiente universitário, tudo parece, realmente novo e promissor. Mas, dias e meses vão se sucedendo e, lá pelo final do segundo ano, um professor mais realista chega em sala e diz: “pessoal, a Universidade faz todo o possível para que alcancem a felicidade, mas, o bom mesmo, o caminho ideal para vocês, é conseguirem um estágio profissional e, já a partir do próximo ano, esta realidade estará batendo às suas portas. Portanto, preparem-se para, finalmente, serem felizes”.

Você, a muito custo, com muita luta e com a ajuda de todos os santos, amigos, parentes, vizinhos, conhecidos etc., consegue o tal estágio. Ufa! Agora, sim, a felicidade começará a sorrir para mim. Finalmente, chegou a minha vez! Só que não. Já no primeiro dia no estágio profissional, alguém, que é escalado para te conduzir nos primeiros passos da profissão, diz pra você: “olha só, estágio aqui não vale quase nada. Pra você ser top mesmo, precisa conseguir ser efetivado. Aí sim, você tem tudo para ser feliz. A empresa te joga nas alturas e a felicidade te carrega nos braços”.

Depois de muita luta, muito sofrimento e muitas desilusões, e depois de já ter colado grau na universidade, você, finalmente, consegue ser efetivado naquela empresa que promete a felicidade para todos os seus colaboradores. Primeiro dia no emprego, muita alegria, pura emoção. Agora você é direcionado(a) para trabalhar no quarto andar, próximo à diretoria. Lugar onde você nunca tinha podido estar antes. Que sonho, que benção! Apresentado ao chefe, ele diz para você: “olha só, aqui você vai ralar muito até conseguir um lugarzinho ao sol. Começa como ADM XV e, quando chegar no I, aí sim, você será o top do top. Até lá, meu caro, prepare-se para lutar bravamente”.

Não é preciso dizer mais nada. Você já compreendeu, ou recordou, que a tal da felicidade está, sempre, muito além do tempo, lugar que ninguém sabe precisamente aonde fica. E, para resumir a sua feliz história, quarenta anos depois, quando já estava no ADM IV, avisam a você que, dali pra frente, precisam de gente mais jovem, com mais vigor e mais disposição. Você, então, não encontrando solução mais aprazível, decide pela aposentadoria, numa última cartada em busca da tão sonhada e perseguida felicidade: “agora, sim, você pensa, sou livre. Posso comer churrasco todos os dias, beber cerveja gelada a toda hora no verão. Caçar, pescar, ler, meditar, dar aulas, escrever etc.”. Só que não! Rapidamente o médico trata de burilar sua dieta e traçar limites muito rigorosos para o dia-a-dia da sua vida, se quiser continuar vivo. Um dia, finalmente, lá pelos oitenta e tantos anos você, já no leito final (omitimos a palavra morte para não te assustar), recebe a visita do Padre Francelino que, num português arrastado diz: “não fiquemos tristes, nada termina com esta vida. O melhor  de tudo, a felicidade real, ainda está por vir”. E você já não fala mais nada, porque a voz nem sai.

Para uns outros sábios, a felicidade está tremendamente vinculada à satisfação de desejos. Ah, aí você se esbalda, pois, o que não te falta são desejos. Mas logo, logo, você se dá conta de que qualquer desejo é ardentemente perseguido até ser concretizado. Depois, já não é assim. Sócrates dizia que o sofrimento causado pela dor, traz a felicidade no alívio desta mesma dor. Ou seja, o que você sofre para acessar o objeto do seu desejo, é recompensado pelo alívio da consecução e do alcance deste mesmo desejo. Passado este alívio inicial, novos sofrimentos vão surgindo e você, como no mito de Sísifo, vai chegando com a sua pedra no topo da montanha para, em seguida, vê-la despencar, novamente, para o ponto inicial. E assim, sucessivamente, você vai caminhando, sempre acreditando que, da próxima vez, a pedra ficará estacionada no topo da montanha. Cada desejo satisfeito, zera a sensação de felicidade e outros desejos vão surgindo, num indo e vindo sem fim.

Existem, ainda, os que afirmam que por meio do consumismo, que não te impõe qualquer limite, a não ser o financeiro, você será, finalmente feliz. Ledo engano! Por mais dinheiro que possa acumular ao longo da vida, ou mesmo herdar, haverão coisas que afastarão de você a tal da felicidade. Vejam-se os exemplos de grandes astros do cinema, do esporte e da música, hiper milionários, possuidores dos bens materiais mais valiosos do mundo que, em determinado momento, decidiram colocar um fim à própria vida, seja de forma direta ou indireta, por meio de vícios devastadores.

Quando eu era menino meu pai costumava me levar para passear em um bosque na cidade onde morávamos. Era um bosque muito grande, ainda é, com lagos naturais e cheio de peixes multicoloridos, muitas aves e pássaros, flores de mil espécies e, principalmente, as orquídeas, as minhas favoritas. Aquele ambiente me transmitia uma inefável sensação de felicidade. Eu me sentia absolutamente feliz naquele ambiente. Os anos foram passando e, todas as vezes em que estava chateado, aborrecido ou decepcionado com alguma coisa, eu recorria ao passeio naquele bosque, onde a felicidade estava sempre presente e eu saía bastante renovado.

O tempo passou, a idade chegou, mudei-me da tal cidade, mas, ainda hoje, conservo o hábito de visitar parques, jardins públicos e/ou bosques, nos quais encontro basicamente as mesmas coisas que encontrava lá, no meu tempo de menino. A felicidade é a mesma, saio daquele ambiente, sempre, fascinado pela beleza da Criação. Sempre agradecido a Deus por ter criado espécies tão distintas, tão ricas, tão belas e tão capazes de proporcionar uma felicidade indizível à minha alma.

De tudo o que pude deduzir, por tudo o que vi e vivi,  a resposta a ser dada à sua pergunta: “a felicidade existe?”, é “sim” e “não”. Sim, se você buscá-la na dimensão espiritual. Não, se a busca for no ambiente material e materialista no qual vive.

No primeiro caso, assim como no exemplo do bosque, a felicidade sempre estará lá, para ser curtida e vivida durante todo o tempo desejado. Já no segundo caso, ela é efêmera, passageira, decepcionante. Digo decepcionante porque a fórmula nem sempre se repete. Nem sempre você é feliz quando alcança o bem desejado; nem sempre você é feliz quando adquire o objeto do seu desejo. No entanto, novamente, no caso do bosque, a felicidade que já é sua conhecida, sempre estará lá, basta a sua chegada para que ela invada e domine todo o seu ser.

Daí a importância fundamental em saber como você se prepara para buscar a felicidade: como ser humano ou como ser espiritual? Desta resposta depende toda a felicidade que você procura. De um lado, as inconstâncias, inconsistências e incoerências de um mundo que te deseja avidamente, mas que nada tem para te oferecer de duradouro, de permanente. Do outro lado, a consistência, a coerência, a constância, o equilíbrio, a permanência de um sentir que te atrai pela própria natureza e para a satisfação da sua alma e não, como no primeiro caso, do seu ego. Porque o que satisfaz à sua alma, satisfaz a toda e a qualquer alma que se aproxima – observe como toda a criação se revela feliz diante da beleza e da completude da natureza – mas, o que satisfaz apenas o seu ego, nem sempre encontra ressonância nos demais seres.

Como disse desde o início desta nossa conversa, não sou a pessoa indicada para responder à sua indagação. Apenas trouxe até você um pouco do que aprendi pelas estradas de uma vida que, tal qual a felicidade deste mundo, é efêmera, transitória e, portanto, passageira. Se te fizer bem, reflita e tire algumas conclusões. Talvez estas pobres palavras possam ter alguma valia para a sua vida. Caso contrário, é só deletar! Seja feliz, e mantenha a fé!

___________________________________________________

*L. A. de Moura é estudante de teologia, é um pensador espiritualista, um caminhante e um cultor do silêncio.

mai 25

LEITURA DIÁRIA: É PRECISO CAMINHAR COM DEUS

BÍBLIA - 2019

7ª SEMANA DA PÁSCOA – SEGUNDA-FEIRA – 25/05/2020 –

26Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai e comei, isto é meu corpo.27Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos,28porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados.29Digo-vos: doravante não beberei mais desse fruto da vinha até o dia em que o beberei de novo convosco no Reino de meu Pai. 31Disse-lhes então Jesus: Esta noite serei para todos vós uma ocasião de queda; porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho serão dispersadas (Zc 13,7).32Mas, depois da minha Ressurreição, eu vos precederei na Galileia. (Mt 26, 26-31.32)

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At  19,1-8) –

1Enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo atravessou as regiões montanhosas e chegou a Éfeso. Aí encontrou alguns discípulos e perguntou-lhes: 2“Vós recebestes o Espírito Santo quando abraçastes a fé?” Eles responderam: “Nem sequer ouvimos dizer que existe o Espírito Santo!” 3Então Paulo perguntou: “Que batismo vós recebestes?” Eles responderam: “O batismo de João”. 4Paulo disse-lhes: “João administrava um batismo de conversão, dizendo ao povo que acreditasse naquele que viria depois dele, isto é, em Jesus”. 5Tendo ouvido isso, eles foram batizados no nome do Senhor Jesus. 6Paulo impôs-lhes as mãos, e sobre eles desceu o Espírito Santo. Começaram então a falar em línguas e a profetizar. 7Ao todo, eram uns doze homens. 8Paulo foi então à sinagoga e, durante três meses, falava com toda convicção, discutindo e procurando convencer os ouvintes sobre o reino de Deus.                         

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO:  Jo 16,29-33

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 29os discípulos disseram a Jesus: “Eis, agora falas claramente e não usas mais figuras. 30Agora sabemos que conheces tudo e que não precisas que alguém te interrogue. Por isso cremos que vieste da parte de Deus”. 31Jesus respondeu: “Credes agora? 32Eis que vem a hora – e já chegou – em que vos dispersareis, cada um para seu lado, e me deixareis só. Mas eu não estou só, porque o Pai está comigo. 33Disse-vos estas coisas para que tenhais paz em mim. No mundo, tereis tribulações. Mas tende coragem! Eu venci o mundo!”                           

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/              

Posts mais antigos «

Apoio: