Lisaac

Sementes da Palavra, É tempo de semear

Arquivo por categoria: JÁ PUBLICADO

mai 24

LEIA A BÍBLIA TODOS OS DIAS: LEITURAS INDICADAS PARA HOJE

LER A BÍBLIA - 2

5ª SEMANA DA PÁSCOA – SEXTA-FEIRA – 24/05/2019 –

8Quando subiu ao alto, levou muitos cativos, cumulou de dons os homens (Sl 67,19).9Ora, que quer dizer ele subiu, senão que antes havia descido a esta terra?10Aquele que desceu é também o que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.11A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, pastores, doutores, 12para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo,13até que todos tenhamos chegado à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo. (Ef 4, 8-13)”

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At    15,22-31) – Naqueles dias, 22pareceu bem aos apóstolos e aos anciãos, de acordo com toda a comunidade de Jerusalém, escolher alguns da comunidade para mandá-los a Antioquia com Paulo e Barnabé. Escolheram Judas, chamado Bársabas, e Silas, que eram muito respeitados pelos irmãos. 23Através deles enviaram a seguinte carta: “Nós, os apóstolos e os anciãos, vossos irmãos, saudamos os irmãos vindos do paganismo e que estão em Antioquia e nas regiões da Síria e da Cilícia. 24Ficamos sabendo que alguns dos nossos causaram perturbações com palavras que transtornaram vosso espírito. Eles não foram enviados por nós. 25Então decidimos, de comum acordo, escolher alguns representantes e mandá-los até vós, junto com nossos queridos irmãos Barnabé e Paulo, 26homens que arriscaram suas vidas pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo. 27Por isso, estamos enviando Judas e Silas, que pessoalmente vos transmitirão a mesma mensagem. 28Porque decidimos, o Espírito Santo e nós, não vos impor nenhum fardo, além destas coisas indispensáveis: 29abster-se de carnes sacrificadas aos ídolos, do sangue, das carnes de animais sufocados e das uniões ilegítimas. Vós fareis bem se evitardes essas coisas. Saudações!” 30Depois da despedida, Judas e Silas foram para Antioquia, reuniram a assembleia e entregaram a carta. 31A sua leitura causou alegria, por causa do estímulo que trazia.    

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Jo  15,12-17

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 12“Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei. 13Ninguém tem amor maior do que aquele que dá sua vida pelos amigos. 14Vós sois meus amigos se fizerdes o que eu vos mando. 15Já não vos chamo servos, pois o servo não sabe o que faz o seu senhor. Eu chamo-vos amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai. 16Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi e vos designei para irdes e para que produzais fruto, e o vosso fruto permaneça. O que, então, pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo concederá. 17Isto é o que vos ordeno: amai-vos uns aos outros”.           

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mai 23

LEIA A BÍBLIA TODOS OS DIAS: LEITURAS INDICADAS PARA HOJE

LER A BÍBLIA - 2

5ª SEMANA DA PÁSCOA – QUINTA-FEIRA – 23/05/2019 –

8Quando subiu ao alto, levou muitos cativos, cumulou de dons os homens (Sl 67,19).9Ora, que quer dizer ele subiu, senão que antes havia descido a esta terra?10Aquele que desceu é também o que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.11A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, pastores, doutores, 12para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo,13até que todos tenhamos chegado à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo. (Ef 4, 8-13)”

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At    15,7-21) – Naqueles dias, 7depois de longa discussão, Pedro levantou-se e falou aos apóstolos e anciãos: “Irmãos, vós sabeis que, desde os primeiros dias, Deus me escolheu do vosso meio para que os pagãos ouvissem de minha boca a palavra do evangelho e acreditassem. 8Ora, Deus, que conhece os corações, testemunhou a favor deles, dando-lhes o Espírito Santo como o deu a nós. 9E não fez nenhuma distinção entre nós e eles, purificando o coração deles mediante a fé. 10Então, por que vós agora colocais Deus à prova, querendo impor aos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós mesmos tivemos força para suportar? 11Ao contrário, é pela graça do Senhor Jesus que acreditamos ser salvos, exatamente como eles”. 12Houve então um grande silêncio em toda a assembleia. Depois disso, ouviram Barnabé e Paulo contar todos os sinais e prodígios que Deus havia realizado, por meio deles, entre os pagãos. 13Quando Barnabé e Paulo terminaram de falar, Tiago tomou a palavra e disse: “Irmãos, ouvi-me: 14Simão acaba de nos lembrar como, desde o começo, Deus se dignou tomar homens das nações pagãs para formar um povo dedicado ao seu nome. 15Isso concorda com as palavras dos profetas, pois está escrito: 16‘Depois disso, eu voltarei e reconstruirei a tenda de Davi que havia caído; reconstruirei as ruínas que ficaram e a reerguerei, 17a fim de que o resto dos homens procure o Senhor com todas as nações que foram consagradas ao meu nome. É o que diz o Senhor, que fez essas coisas, 18conhecidas há muito tempo’. 19Por isso, sou do parecer que devemos parar de importunar os pagãos que se convertem a Deus. 20Vamos somente prescrever que eles evitem o que está contaminado pelos ídolos, as uniões ilegítimas, comer carne de animal sufocado e o uso do sangue. 21Com efeito, desde os tempos antigos, em cada cidade Moisés tem os seus pregadores, que o leem todos os sábados nas sinagogas”.    

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Jo  15,9-11

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 9“Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor. 10Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor. 11Eu vos disse isso para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena”.           

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mai 22

LEIA A BÍBLIA TODOS OS DIAS: LEITURAS INDICADAS PARA HOJE

LER A BÍBLIA - 2

5ª SEMANA DA PÁSCOA – QUARTA-FEIRA – 22/05/2019 –

8Quando subiu ao alto, levou muitos cativos, cumulou de dons os homens (Sl 67,19).9Ora, que quer dizer ele subiu, senão que antes havia descido a esta terra?10Aquele que desceu é também o que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.11A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, pastores, doutores, 12para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo,13até que todos tenhamos chegado à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo. (Ef 4, 8-13)”

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At    15,1-6) – Naqueles dias, 1chegaram alguns da Judeia e ensinavam aos irmãos de Antioquia, dizendo: “Vós não podereis salvar-vos se não fordes circuncidados, como ordena a lei de Moisés”. 2Isso provocou muita confusão, e houve uma grande discussão de Paulo e Barnabé com eles. Finalmente, decidiram que Paulo, Barnabé e alguns outros fossem a Jerusalém para tratar dessa questão com os apóstolos e os anciãos. 3Depois de terem sido acompanhados pela comunidade, Paulo e Barnabé atravessaram a Fenícia e a Samaria. Contaram sobre a conversão dos pagãos, causando grande alegria entre todos os irmãos. 4Chegando a Jerusalém, foram recebidos pelos apóstolos e os anciãos e narraram as maravilhas que Deus tinha realizado por meio deles. 5Alguns dos que tinham pertencido ao partido dos fariseus e que haviam abraçado a fé levantaram-se e disseram que era preciso circuncidar os pagãos e obrigá-los a observar a lei de Moisés. 6Então, os apóstolos e os anciãos reuniram-se para tratar desse assunto.    

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Jo  15,1-8

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 1“Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. 2Todo ramo que em mim não dá fruto, ele o corta; e todo ramo que dá fruto, ele o limpa, para que dê mais fruto ainda. 3Vós já estais limpos por causa da palavra que eu vos falei. 4Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo se não permanecer na videira, assim também vós não podereis dar fruto se não permanecerdes em mim. 5Eu sou a videira, e vós, os ramos. Aquele que permanece em mim, e eu nele, esse produz muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. 6Quem não permanecer em mim será lançado fora como um ramo e secará. Tais ramos são recolhidos, lançados no fogo e queimados. 7Se permanecerdes em mim e minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes e vos será dado. 8Nisto meu Pai é glorificado: que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos”.           

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mai 21

SUGESTÕES DE LEITURAS DIÁRIAS

LER A BÍBLIA - 2

5ª SEMANA DA PÁSCOA – TERÇA-FEIRA – 21/05/2019 –

8Quando subiu ao alto, levou muitos cativos, cumulou de dons os homens (Sl 67,19).9Ora, que quer dizer ele subiu, senão que antes havia descido a esta terra?10Aquele que desceu é também o que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.11A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, pastores, doutores, 12para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo,13até que todos tenhamos chegado à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo. (Ef 4, 8-13)”

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At    14,19-28) – Naqueles dias, 19de Antioquia e Icônio chegaram judeus que convenceram as multidões. Então apedrejaram Paulo e arrastaram-no para fora da cidade, pensando que ele estivesse morto. 20Mas, enquanto os discípulos o rodeavam, Paulo levantou-se e entrou na cidade. No dia seguinte, partiu para Derbe com Barnabé. 21Depois de terem pregado o evangelho naquela cidade e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, Icônio e Antioquia. 22Encorajando os discípulos, eles os exortavam a permanecerem firmes na fé, dizendo-lhes: “É preciso que passemos por muitos sofrimentos para entrar no reino de Deus”. 23Os apóstolos designaram presbíteros para cada comunidade. Com orações e jejuns, eles os confiavam ao Senhor, em quem haviam acreditado. 24Em seguida, atravessando a Pisídia, chegaram à Panfília. 25Anunciaram a Palavra em Perge e depois desceram para Atália. 26Dali embarcaram para Antioquia, de onde tinham saído, entregues à graça de Deus, para o trabalho que haviam realizado. 27Chegando ali, reuniram a comunidade. Contaram-lhe tudo o que Deus fizera por meio deles e como havia aberto a porta da fé para os pagãos. 28E passaram então algum tempo com os discípulos.   

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Jo  14,27-31

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 27“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. 28Ouvistes que eu vos disse: ‘Vou, mas voltarei a vós’. Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu. 29Disse-vos isso agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis. 30Já não falarei muito convosco, pois o chefe deste mundo vem. Ele não tem poder sobre mim, 31mas, para que o mundo reconheça que eu amo o Pai, eu procedo conforme o Pai me ordenou”.          

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mai 20

SUGESTÕES DE LEITURAS DIÁRIAS

LER A BÍBLIA - 2

5ª SEMANA DA PÁSCOA – SEGUNDA-FEIRA – 20/05/2019 –

8Quando subiu ao alto, levou muitos cativos, cumulou de dons os homens (Sl 67,19).9Ora, que quer dizer ele subiu, senão que antes havia descido a esta terra?10Aquele que desceu é também o que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.11A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, pastores, doutores, 12para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo,13até que todos tenhamos chegado à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo. (Ef 4, 8-13)”

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At    14,5-18) – Naqueles dias, em Icônio, 5pagãos e judeus, tendo à frente seus chefes, estavam dispostos a ultrajar e apedrejar Paulo e Barnabé. 6Ao saberem disso, Paulo e Barnabé fugiram e foram para Listra e Derbe, cidades da Licaônia, e seus arredores. 7Aí começaram a anunciar o evangelho. 8Em Listra havia um homem paralítico das pernas, que era coxo de nascença e nunca fora capaz de andar. 9Ele escutava o discurso de Paulo. E este, fixando nele o olhar e notando que tinha fé para ser curado, 10disse em alta voz: “Levanta-te direito sobre os teus pés”. O homem deu um salto e começou a caminhar. 11Vendo o que Paulo acabara de fazer, a multidão exclamou em dialeto licaônico: “Os deuses desceram entre nós em forma de gente!” 12Chamavam a Barnabé Júpiter e a Paulo Mercúrio, porque era Paulo quem falava. 13Os sacerdotes de Júpiter, cujo templo ficava defronte à cidade, levaram à porta touros ornados de grinaldas e queriam, com a multidão, oferecer sacrifícios. 14Ao saberem disso, os apóstolos Barnabé e Paulo rasgaram as vestes e foram para o meio da multidão, gritando: 15“Homens, o que estais fazendo? Nós também somos homens mortais como vós e vos estamos anunciando que precisais deixar esses ídolos inúteis para vos converterdes ao Deus vivo, que fez o céu, a terra, o mar e tudo o que neles existe. 16Nas gerações passadas, Deus permitiu que todas as nações seguissem o próprio caminho. 17No entanto, ele não deixou de dar testemunho de si mesmo através de seus benefícios, mandando do céu chuvas e colheitas, dando alimento e alegrando vossos corações”. 18E assim falando, com muito custo, conseguiram que a multidão desistisse de lhes oferecer um sacrifício.   

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Jo  14,21-26

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 21“Quem acolheu os meus mandamentos e os observa, esse me ama. Ora, quem me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele”. 22Judas – não o Iscariotes – disse-lhe: “Senhor, como se explica que te manifestarás a nós e não ao mundo?” 23Jesus respondeu-lhe: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. 24Quem não me ama não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou. 25Isso é o que vos disse enquanto estava convosco. 26Mas o defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito”.          

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mai 20

EDITORIAL DA SEMANA: FILHOS DE DEUS, ESCRAVOS DO MUNDO

ESCRAVOS DO MUNDO - 2

ESCRAVOS VOLUNTÁRIOS – O ABANDONO DA RAZÃO E DA ESSÊNCIA DA VIDA –

*Por Luiz Antonio de Moura –

Quando falamos em qualquer forma de escravidão, é inevitável, ao menos para nós, cristãos, não pensar na libertação proposta por Jesus Cristo a todos os que acolhem a mensagem do Reino de Deus. E, desde os tempos do cristianismo primitivo, não são poucas as pessoas que declararam, e que ainda declaram, o seguimento à Palavra do Profeta de Nazaré estando, porém, com os pés fortemente fincados no chão e com a alma e o espírito total e absolutamente presos ao materialismo e às propostas feitas por um mundo que, apesar da beleza e dos atrativos, está sempre em decadência.

O mundo foi criado a partir do caos, continua no caos e, por esta razão, permanece sendo reconstruído a cada dia.

Chega a ser assustador, não, viver em mundo em aparente e permanente decadência, mas, e, sobretudo, viver em meio a pessoas que, apesar de professarem a fé na mensagem do cristianismo, caminham tão acorrentadas às manias, aos hábitos, aos costumes e à cultura ditados por estruturas de produção, de enriquecimento, de poder, de acúmulo de prestígio e de autossuficiência que, no final de todas as contas, nos levam a perguntar: Que salvação restará para estas pessoas?

Alguém pode objetar, afirmando que a salvação é para todos e que, o que é impossível para o homem, é plenamente possível para Deus. Mas, esta proposição é idêntica à que é feita pelos infelizes escravos do mundo. Simplesmente não cola!

E não cola porque, a palavra de Jesus é bastante clara e dispensa maiores e aprofundadas interpretações. Senão vejamos: “Por que me chamais vós Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu vos digo?” (Lc 6, 46). E, no mesmo Evangelho, Jesus afirma que todo o que ouve suas palavras e as coloca em prática, é semelhante ao homem que, ao edificar sua casa, cava profundamente e coloca os alicerces na rocha. Virão o vento e a tempestade, afirma Ele, investirão contra aquela casa, mas, não a conseguirão destruir. Porém, continua Jesus, o que ouve as minhas palavras e não as coloca em prática, é semelhante ao homem “que edificou sua casa sobre a terra sem fundamentos, contra a qual investiu a torrente, e logo caiu, e foi grande a ruína daquela casa” (Lc 6, 49).

N’outra parte, Jesus declara que todo aquele que retém os seus mandamentos e os pratica, este é que verdadeiramente O ama, “e aquele que me ama será amado por meu Pai e eu o amarei também, e me manifestarei a ele” e, ainda, “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, meu Pai o amará, nós viremos a ele e faremos nele morada” (Jo 14, 21-24).

Ora, as palavras de Jesus são todas vocacionadas e direcionadas para o Reino de Deus, e não, como pensam muitos cristãos conhecidos, voltadas para os “negócios e os progressos” deste mundo, aos quais sentem-se ligados pela própria natureza, pelos quais devem lutar com unhas e dentes, acreditando estarem cumprindo missão divina.

Grande parte dos cristãos que conhecemos na atualidade, fazem ouvidos de mercadores em relação às palavras de Jesus. Frequentam os templos, atuam nos ritos litúrgicos, casam e batizam seus filhos e netos, fazem fila para a confissão e para a comunhão, mas, ao saírem dali, retomam seus negócios com verdadeira fúria, exigindo de todos os que estão à sua volta e sob o seu chicote, que ajam da forma determinada pelos diversos sistemas e estruturas estabelecidos, com vistas à consolidação, não do Reino de Deus, conforme ensinado por Jesus, mas, do poder – econômico, político ou jurídico – e do acúmulo de fama, do prestígio e da consagração pública. Acreditam estas pessoas, que o discurso fácil do “eu creio em Jesus”, será suficiente para livrá-las das correntes em que estão presas, de forma absolutamente voluntária, em razão da ambição, do orgulho, da vaidade, da prepotência, do autoritarismo e da arrogância, aos quais servem com o máximo de zelo possível, inclusive, incentivando-se umas às outras a procederem do mesmo modo.

Esquecem, mais uma vez, que Jesus, atento a tudo e a todos, em todos os tempos, não apenas ensinou como devemos lidar com os lobos vorazes travestidos de ovelhas, mas, e muito mais, já os sentenciou ao declarar que “Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome, e em teu nome expelimos os demônios, e em teu nome fizemos muitos milagres? Então, eu lhes direi bem alto: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade” (Mt 7, 22-23).

Praticam a iniquidade, todos aqueles que, conhecedores da Palavra, fazem-se de cordeiros perante os grandes deste mundo e, no dia-a-dia de suas vidas, agem de forma totalmente contrária do amor ao próximo – sem discriminá-lo – esquecem-se do dever de solidariedade e de fraternidade, tirando do outro o máximo que podem, sob o argumento de que os salários são pagos regiamente; exigem que seus trabalhadores ou subordinados trabalhem à exaustão, em busca de uma produtividade cujo ideal nunca é alcançado; miram seus interesses unicamente na prospecção de uma imagem falsa que cunham para si próprios, olvidando que a Deus jamais enganam. E, o pior, continuam a bradar o “eu creio em Jesus”.

Escravos! Todos são escravos de um mundo decadente. Um mundo que não foi criado para ter um fim, mas para conduzir muitos para um triste fim. Um mundo que cambaleia, feito um bêbado, mas, que jamais cai levando, no entanto, ao chão e à queda todos aqueles que vivem e se escravizam nele e por ele.

De sorte que estes escravos contemporâneos, assim como o foram os de todos os tempos passados, e, certamente, o serão os do futuro, abandonam a razão e a essência da vida, que é Deus e que está escondida em Deus, não, nos “negócios” e “nas causas” deste mundo, como imaginam estes desafortunados, embora possuam alguma fortuna palpável, mas, na realidade de uma vida verdadeira e abundante, que é a vida eterna prometida por Jesus a todos os que ouvem e cumprem, de fato e em verdade, as suas palavras.

Os filhos deste mundo possuem a esperteza para os negócios e para as artimanhas, porém, não possuem a sabedoria, virtude que Deus só concede aos pequeninos, àqueles que estão sempre sob o chicote dos grandes que, para não sofrerem muito, afirmam que “todos somos iguais”, acreditando que este mantra agradará e os livrará da justiça de Deus.

É de se lamentar que ainda existam cristãos, irmãos nossos, vivendo e agindo desta forma, apesar de todos os avisos e de todas as exortações a eles dirigidas pelos mensageiros da Palavra. Porém, se não ouvem a Deus, ouvirão simples mortais como nós?

Só nos resta pedir ao Cristo de Deus para que toque profundamente estes corações empedernidos que, mesmo na sua loucura, acreditam piamente estarem no mesmo barco de Jesus, sem se darem conta que o barco de Jesus não afunda jamais, ainda que Ele esteja dormindo e o que o deles, com o peso da água do tempo, já está em estágio avançado rumo à submersão.

É preciso fazer profunda reflexão sobre a nossa forma de viver, de agir e de alardear aos quatro ventos nossa condição de cristãos. É preciso apurar, de fato e com honestidade, a quem estamos servindo com o coração e com a alma, já que, com a boca, estamos servindo a Jesus, o que já é suficiente o bastante para a nossa derrota eterna, haja vista que Ele poderá olhar para nós e dizer “Nunca vos conheci”. E aí, onde estarão os louros das vitórias conquistadas a qualquer preço? Onde estarão os ganhos exorbitantes auferidos às custas do sangue e do suor alheios? Onde estarão as benesses auferidas pelos recordes de produtividade, com citações em periódicos e em relatórios publicados? Onde estarão os méritos que acreditávamos ter, com nossas esmolas e trabalhos voluntários? De que terão valido anos e anos de trabalho, intercalados com as idas ao templo para figurar entre os bons e os eleitos do Reino, quando o próprio  Rei dirá que não nos conhece?

É uma reflexão dura demais, mas, profundamente necessária. Sempre é tempo para uma correção de rumos e de trajetórias. Não podemos permitir uma derrota provocada por nós mesmos. Não podemos admitir que, no final de tudo e de tanto, sejamos atirados no abismo negro de uma morte sem perspectiva de entrada no Reino de Deus. Reino ao qual só teremos acesso se ouvirmos e colocarmos em prática as palavras de Jesus. Porque, se assim não fosse, Jesus passaria por mentiroso e, como disse o Apóstolo Paulo, seria vã a nossa fé. Pense sobre isto. Seja feliz, e boa sorte!.

______________________________________________________

*Luiz Antonio de Moura é um pensador espiritualista, um caminhante e um cultor do silêncio.

 

 

                                                                                 

mai 19

REFLEXÃO SEMANAL DO FREI LUDOVICO GARMUS

LUDOVICO GARMUS

5º DOMINGO DA PÁSCOA - AMAI-VOS UNS AOS OUTROS –

*Por Frei Ludovico Garmus, ofm –

ORAÇÃO: “Ó Deus, Pai de bondade, que nos redimistes e adotastes como filhos e filhas, concedei aos que creem no Cristo a liberdade verdadeira e a herança eterna”.

1. PRIMEIRA LEITURA: At 14,21b-27

Contaram à comunidade tudo o que Deus fizera por meio deles.

Antes de concluir a primeira viagem missionária, Paulo e Barnabé tornaram a visitar as comunidades fundadas para encorajá-los e exortá-los a “permanecerem firmes na fé”. E diziam: “É preciso que passemos por muitos sofrimentos para entrar no Reino de Deus”. Os apóstolos sentem-se solidários com os fiéis recém-convertidos ao cristianismo. Mas, o sofrimento, a oposição, desprezo e perseguição eram o caminho a ser percorrido para entrar no reino de Deus. A conversão muitas vezes exigia romper com a família, com os costumes e vícios pagãos. Para dar solidez às novas igrejas, “designaram presbíteros para cada comunidade e os confiavam ao Senhor”, com jejuns e orações. Em seguida, voltaram a Antioquia a fim de prestar conta na comunidade reunida do sucesso da missão a eles confiada. Em Antioquia é que foram escolhidos pelo Espírito Santo e, depois de um jejum, orações e imposição das mãos, enviados para a missão. Os apóstolos não consideraram como sucesso pessoal os belos frutos da missão, mas “contaram tudo o que Deus fizeram por meio deles e como havia aberto a porta da fé para os pagãos”. O Espírito Santo é a “força” prometida por Jesus para serem testemunhas suas “em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria, até os confins da terra” (At 1,8). É o mesmo Espírito que nos impulsiona, ainda hoje, a anunciar o Evangelho e dar testemunho de nossa fé.

SALMO RESPONSORIAL: Sl 144

Bendirei o vosso nome, ó meu Deus,

meu Senhor e meu Rei para sempre.

2. SEGUNDA LEITURA: Ap 21,1-5a

Deus enxugará toda lágrima dos seus olhos.

A segunda leitura inicia a visão que contêm a última revelação do livro do Apocalipse, recebida pelo vidente. O texto caracteriza-se pela palavra novo/nova, repetida quatro vezes. Ele vê um “novo céu e uma nova terra”. Na concepção bíblica, a expressão “céu e terra” engloba toda a realidade que existe entre estes dois pontos opostos, céu e terra. Indica a totalidade do até então conhecido. A nova realidade substitui a anterior, marcada pelo pecado, pela violência e pela morte, derrotadas pelo Cordeiro. A nova realidade se caracteriza pela ausência do mal e presença do bem. A nova Jerusalém desce do céu, isto é, vem de Deus, e está vestida como uma noiva, para celebrar o casamento com o Cordeiro. Uma voz que sai do trono (Deus) explica o que é este casamento: “Esta é a morada de Deus entre os homens” (cf. Ap 7,15: 2ª leitura do 4º Domingo da Páscoa). “Deus vai morar no meio deles”, como já morou em Jesus de Nazaré (cf. Jo 1,14; Mt 1,23). “Eles serão o seu povo, e o próprio Deus estará com eles”. É a imagem da união conjugal que melhor expressa a comunhão de amor entre Deus e o seu povo (cf. Ef 5,21-33). Nesta nova realidade não haverá mais lágrimas, morte, luto nem dor. Será a plena realização do Reino de Deus anunciado por Jesus. Ele, o Cordeiro imolado, agora sentado no trono, é a garantia deste novo céu e nova terra: “Eis que faço novas todas as coisas” (Evangelho).

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO: Jo 13,34

Eu vos dou novo preceito: que uns aos outros vos ameis:

Como eu vos tenho amado.

3. EVANGELHO: Jo 13,31-33a.34-35

Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros.

O Evangelho que acabamos de ouvir é o testamento de Jesus, sua última vontade antes de enfrentar a morte. Jesus caminha para sua glorificação, pelo caminho da exaltação na cruz. Em vida, Jesus dizia: “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas” (10,11). Durante a última ceia disse: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos”. Chegando a hora de mostrar este amor, Jesus nos deixa o mandamento do amor. Fala aos discípulos com a ternura de um pai: “Filhinhos”. Este novo mandamento que nos dá ultrapassa o mandamento do amor ao próximo como a si mesmo. O mandamento do amor que Jesus deixa aos discípulos é o amor capaz de dar a vida pelos que ama: “Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros”. É assim que seremos reconhecidos como discípulos de Jesus. __________________________________________________

* Frei Ludovico Garmus é Doutor em Exegese Bíblica, Professor de Exegese no Instituto Teológico Franciscano-ITF, em Petrópolis, escritor, conferencista e colabora com o nosso Blog, autorizando a reprodução de textos e de reflexões de sua autoria.

mai 19

REFLEXÃO DO MONSENHOR JOSÉ MARIA PEREIRA

ZÉ MARIA - 2018

V DOMINGO DA PÁSCOA – O DISTINTIVO DO CRISTÃO –

*Por Mons. José Maria Pereira –

O Evangelho (Jo 13, 31-35) refere-se ao momento em que, após ter anunciado a traição de Judas, Jesus fala da sua glorificação como se tratasse de uma realidade já presente, vinculada à Sua Paixão: “Agora foi glorificado o Filho do Homem, e Deus foi glorificado nele” (Jo 13, 31). O contraste é chocante, mas apenas aparente; na verdade, aceitando ser atraiçoado e entregue à morte para a salvação dos homens, Jesus cumpre a missão que recebera do Pai e isto constitui o motivo preciso da Sua glorificação.

Jesus continuará no meio de seus discípulos pelo amor com que os amou e que lhes deixa como herança para que vivam nele e o realizem sempre nas suas relações mútuas. “Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros” (Jo 13, 34). O amor recíproco, ajustado ao amor do Mestre, ou melhor, nascido dele, garante, à comunidade cristã a presença de Jesus, da qual é autêntico sinal. Ao mesmo tempo, é o distintivo dos verdadeiros cristãos: “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros” (Jo 13, 35). Deste modo, a vida da Igreja começou amparada numa força de coesão e de expansão totalmente nova e dotada de um poder extraordinário porque fundamentada, não no amor humano que é sempre frágil e falível, mas no amor divino: o amor de Cristo revivido nas mútuas relações dos que creem.

Jesus deixa um Mandamento Novo: “Amai-vos uns aos outros, COMO eu vos amei.”

Este anúncio nos é dado num contexto pascal, para nos dizer que é da Páscoa de Cristo que floresceu toda novidade. Cristo foi ressuscitado dos mortos… Por isso também nós caminhamos numa vida nova ( Rm 6, 4 ). A Páscoa é a renovação do mundo, uma passagem da velhice para a juventude, que não é uma juventude de idade, mas de simplicidade. “Tínhamos caído na velhice do pecado, mas pela ressurreição de Cristo fomos renovados na inocência das crianças” (São Máximo de Turim).

 A novidade é o amor.

 No Antigo Testamento o mandamento do amor já era conhecido; no Novo Testamento Jesus diz “o meu mandamento”.

Jesus fala de um “novo mandamento”. Mas, qual é a sua novidade? Já no Antigo Testamento, Deus tinha dado o mandamento do amor; agora, porém, este mandamento tornou-se novo, enquanto Jesus lhe acrescenta um suplemento muito importante: “Assim como Eu vos amei, vós também vos deveis amar uns aos outros.” O que é novo, é precisamente este “amar como Jesus amou”. Todo o nosso amor é precedido pelo seu amor e refere-se a este amor, insere-se neste amor, realiza-se precisamente por este amor. O Antigo Testamento não apresentava modelo algum de amor, mas formulava apenas o preceito de amar. Jesus, ao contrário, deu-se-nos como modelo e fonte de amor. Trata-se de um amor sem limites, universal, capaz de transformar também todas as circunstâncias negativas e todos os obstáculos em ocasiões para progredir no amor.

Dando-nos o novo mandamento, Jesus pede-nos que vivamos o seu próprio amor, do seu próprio amor, que é o sinal verdadeiramente credível, eloquente e eficaz para anunciar ao mundo a vinda do Reino de Deus. Obviamente, só com as nossas forças somos fracos e limitados. Existe sempre em nós uma resistência ao amor e na nossa existência há muitas dificuldades que provocam divisões, ressentimentos e rancores. Mas o Senhor prometeu-nos que estará presente na nossa vida, tornando-nos capazes deste amor generoso e total, que sabe superar todos os obstáculos, inclusive aqueles que estão nos nossos corações. Se estivermos unidos a Cristo, poderemos amar verdadeiramente deste modo. Amar os outros como Jesus nos amou só é possível com aquela força que nos é comunicada na relação com Ele, especialmente na Eucaristia, na qual se torna presente de maneira real o seu Sacrifício de amor que gera amor: é a verdadeira novidade do mundo e a força de uma glorificação permanente de Deus, que se glorifica na continuidade do amor de Jesus no nosso amor.

Agora, com Jesus, este mandamento se torna possível. Antes, se existia, era pura teoria, um ideal abstrato; era algo completamente diferente. Certamente existiram homens que tinham se amado antes de Cristo; mas por quê? Porque eram parentes entre eles, porque eram aliados, amigos, pertenciam ao mesmo clã ou ao mesmo povo. Agora é preciso ir além: amar a quem nos persegue, amar os inimigos, aqueles que não nos saúdam e não nos amam (Cf. Mt 5, 43-48).

Amar, isto é, os irmãos por si mesmos e não porque me podem ser úteis. É a palavra “próximo” que mudou de sentido; o conteúdo desse termo se ampliou de modo a compreender não só o vizinho, mas todo homem do qual tu podes te aproximar (ex. a parábola do Bom Samaritano).

Jesus viveu esse amor até as últimas consequências: até amar-nos assim com somos, primeiro, e a se identificar conosco diante do Pai, a nos perdoar e a morrer por nós. Amou-nos de verdade até o fim (Jo 13, 1), onde “fim” não indica somente até o fim da vida, mas também até  o extremo limite do possível, a totalidade, o que ele proclamou na Cruz quando disse: “Tudo está consumado” (Jo 19,30).

O mandamento de Jesus é novo também por outro motivo: porque renova! Ele é de tal modo que muda a face da terra, transforma as relações humanas, como aquele fermento do qual fala Jesus, que, introduzido na massa, a faz fermentar toda, levantando-a de sua inércia.

No momento em que anuncia a sua partida deste mundo ( “Filhinhos, por pouco tempo estou ainda convosco” , Jo 13, 33); quase como testamento aos seus discípulos, para continuar de modo novo a sua Presença no meio deles, dá-lhes um Mandamento: “Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros” ( Jo 13, 34 ). A novidade está na medida desse amor: “COMO EU vos tenho amado…” Se nos amarmos uns aos outros, Jesus continuará a estar Presente no meio de nós, a ser glorificado no mundo.

O amor de que Jesus fala é o amor que acolhe, que se faz serviço, que respeita a dignidade e a liberdade do outro, que se faz dom total (até à morte) para que o outro tenha mais vida.

A proposta cristã resume-se no amor. O amor é o distintivo, que nos identifica… Que em nossos gestos as pessoas possam descobrir a presença do Amor de Deus no mundo!

Que as famílias vivam a dimensão cristã do amor nos simples gestos quotidianos, nos relacionamentos familiares, superando divisões e incompreensões, cultivando a fé que torna a comunhão ainda mais sólida.

Que os jovens nunca percam a esperança, aquela que vem de Cristo Ressuscitado, da vitória de Deus sobre o pecado, o ódio e a morte. Cristo enfrentou a Cruz para pôr um limite ao mal; para nos fazer entrever, na sua Páscoa, a antecipação daquele momento em que também para nós, todas as lágrimas serão enxugadas e já não haverá morte, nem pranto, nem gritos, nem dor.

O  Apocalipse diz: “Aquele que se sentava no trono disse: “Eis que faço novas todas as coisas”” ( Ap 21, 5 ). A primeira coisa absolutamente nova, realizada por Deus, foi a Ressurreição de Jesus, a sua glorificação celestial. Ela é o início de toda uma série de “coisas novas”, em que também nós participamos. “Coisas novas” são um mundo repleto de alegria, em que não existem mais sofrimentos, nem abusos, em que já não há rancor nem ódio, mas somente o amor que vem de Deus e que transforma tudo.

________________________________________________

*Mons. José Maria Pereira, Sacerdote da Diocese de Petrópolis, é, também, Professor, Juiz do Tribunal Eclesiástico Interdiocesano de Niterói e Diocesano de Petrópolis e Vigário da Paróquia de São José do Itamarati, enviando para o site, semanalmente, a homilia do domingo.

mai 19

SUGESTÕES DE LEITURAS DIÁRIAS

bíblia-6

5º DOMINGO DA PÁSCOA – 19/05/2019 –

“8Quando subiu ao alto, levou muitos cativos, cumulou de dons os homens (Sl 67,19).9Ora, que quer dizer ele subiu, senão que antes havia descido a esta terra?10Aquele que desceu é também o que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.11A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, pastores, doutores, 12para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo,13até que todos tenhamos chegado à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo. (Ef 4, 8-13)” –

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At 14,21-27) –

Naqueles dias, Paulo e Barnabé 21voltaram para as cidades de Listra, Icônio e Antioquia. 22Encorajando os discípulos, eles os exortavam a permanecerem firmes na fé, dizendo-lhes: “É preciso que passemos por muitos sofrimentos para entrar no reino de Deus”. 23Os apóstolos designaram presbíteros para cada comunidade. Com orações e jejuns, eles os confiavam ao Senhor, em quem haviam acreditado. 24Em seguida, atravessando a Pisídia, chegaram à Panfília. 25Anunciaram a Palavra em Perge e depois desceram para Atália. 26Dali embarcaram para Antioquia, de onde tinham saído, entregues à graça de Deus, para o trabalho que haviam realizado. 27Chegando ali, reuniram a comunidade. Contaram-lhe tudo o que Deus fizera por meio deles e como havia aberto a porta da fé para os pagãos.  

– Palavra do Senhor!

– Graças a Deus.

 SALMO RESPONSORIAL: 144(145)

R. Bendirei o vosso nome, ó meu Deus, / meu Senhor e meu rei para sempre.

1. Misericórdia e piedade é o Senhor, / ele é amor, é paciência, é compaixão. / O Senhor é muito bom para com todos, / sua ternura abraça toda criatura. 

R. Bendirei o vosso nome, ó meu Deus, / meu Senhor e meu rei para sempre.

2. Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, / e os vossos santos com louvores vos bendigam! / Narrem a glória e o esplendor do vosso reino / e saibam proclamar vosso poder! 

R. Bendirei o vosso nome, ó meu Deus, / meu Senhor e meu rei para sempre.

3. Para espalhar vossos prodígios entre os homens / e o fulgor de vosso reino esplendoroso. / O vosso reino é um reino para sempre, / vosso poder, de geração em geração. 

R. Bendirei o vosso nome, ó meu Deus, / meu Senhor e meu rei para sempre.

SEGUNDA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DO APOCALIPSE DE SÃO JOÃO (Ap 21,1-5)  

Eu, João, 1vi um novo céu e uma nova terra. Pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. 2Vi a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, de junto de Deus, vestida qual esposa enfeitada para o seu marido. 3Então, ouvi uma voz forte que saía do trono e dizia: “Esta é a morada de Deus entre os homens. Deus vai morar no meio deles. Eles serão o seu povo, e o próprio Deus estará com eles. 4Deus enxugará toda lágrima dos seus olhos. A morte não existirá mais, e não haverá mais luto, nem choro, nem dor, porque passou o que havia antes”. 5Aquele que está sentado no trono disse: “Eis que faço novas todas as coisas”. Depois, ele me disse: “Escreve, porque estas palavras são dignas de fé e verdadeiras”.   

– Palavra do Senhor! 

– Graças a Deus. 

EVANGELHO: Jo  13,31-35

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

 31Depois que Judas saiu do cenáculo, disse Jesus: “Agora foi glorificado o Filho do homem, e Deus foi glorificado nele. 32Se Deus foi glorificado nele, também Deus o glorificará em si mesmo e o glorificará logo. 33Filhinhos, por pouco tempo estou ainda convosco. 34Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros. 35Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros”. 

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

  FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mai 18

SUGESTÕES DE LEITURAS DIÁRIAS

A BÍBLIA COMO CHAVE

4ª SEMANA DA PÁSCOA – SÁBADO – 18/05/2019 –

8Quando subiu ao alto, levou muitos cativos, cumulou de dons os homens (Sl 67,19).9Ora, que quer dizer ele subiu, senão que antes havia descido a esta terra?10Aquele que desceu é também o que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.11A uns ele constituiu apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas, pastores, doutores, 12para o aperfeiçoamento dos cristãos, para o desempenho da tarefa que visa à construção do corpo de Cristo,13até que todos tenhamos chegado à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, até atingirmos o estado de homem feito, a estatura da maturidade de Cristo. (Ef 4, 8-13)”

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DOS ATOS DOS APÓSTOLOS – (At    13,44-52) – 44No sábado seguinte, quase toda a cidade se reuniu para ouvir a Palavra de Deus. 45Ao verem aquela multidão, os judeus ficaram cheios de inveja e, com blasfêmias, opunham-se ao que Paulo dizia. 46Então, com muita coragem, Paulo e Barnabé declararam: “Era preciso anunciar a Palavra de Deus primeiro a vós. Mas, como a rejeitais e vos considerais indignos da vida eterna, sabei que nos vamos dirigir aos pagãos. 47Porque esta é a ordem que o Senhor nos deu: ‘Eu te coloquei como luz para as nações, para que leves a salvação até os confins da terra’”. 48Os pagãos ficaram muito contentes quando ouviram isso e glorificavam a Palavra do Senhor. Todos os que eram destinados à vida eterna abraçaram a fé. 49Desse modo, a Palavra do Senhor espalhava-se por toda a região. 50Mas os judeus instigaram as mulheres ricas e religiosas, assim como os homens influentes da cidade, provocaram uma perseguição contra Paulo e Barnabé e expulsaram-nos do seu território. 51Então os apóstolos sacudiram contra eles a poeira dos pés e foram para a cidade de Icônio. 52Os discípulos, porém, ficaram cheios de alegria e do Espírito Santo.   

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Jo  14,7-14

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 7“Se vós me conhecêsseis, conheceríeis também o meu Pai. E desde agora o conheceis e o vistes”. 8Disse Filipe: “Senhor, mostra-nos o Pai, isso nos basta!” 9Jesus respondeu: “Há tanto tempo estou convosco e não me conheces, Filipe? Quem me viu, viu o Pai. Como é que tu dizes: ‘Mostra-nos o Pai’? 10Não acreditas que eu estou no Pai e o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo, não as digo por mim mesmo, mas é o Pai que, permanecendo em mim, realiza as suas obras. 11Acreditai-me, eu estou no Pai, e o Pai está em mim. Acreditai, ao menos, por causa dessas mesmas obras. 12Em verdade, em verdade vos digo, quem acredita em mim fará as obras que eu faço e fará ainda maiores do que estas. Pois eu vou para o Pai, 13e o que pedirdes em meu nome, eu o realizarei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. 14Se pedirdes algo em meu nome, eu o realizarei”.          

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

  FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

Posts mais antigos «

Apoio: