Lisaac

Sementes da Palavra, É tempo de semear

«

»

fev 26

EVANGELHO NA QUARESMA: JESUS VEIO NOS LIBERTAR

QUARESMA-TEMPO DE CONVERSÃO

2ª SEMANA DA QUARESMA – SEGUNDA-FEIRA – 26/02/2018 –

 Evangelho (Lc 6,36-38)

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:36 Sede misericordiosos, como vosso Pai é misericordioso.37 Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai e sereis perdoados. 38 Dai aos outros e os outros vos retribuirão; derramarão em vosso avental uma boa medida, bem cheia, sacudida e transbordante. Porque com a medida com que medirdes sereis medidos”.

–– Palavra da salvação!

— Glória a vós, Senhor.

REFLEXÃO:

O Evangelho de hoje nos leva a reconsiderar a necessidade de perdoar os que nos tem ofendido. Sobre o perdão aos outros já meditamos dias atrás. Repetir esta meditação, portanto, é uma exigência da Liturgia da Palavra nesta Quaresma. Reconsideremos, portanto, o perdão que devemos dar a quem nos ofendeu. Prestemos atenção, no entanto, para o quadro em que este ensino de Jesus está incluído neste Evangelho: Não julgueis, e não sereis julgados. Não condeneis, e não sereis condenados. Perdoai, e sereis perdoados. (Lc 6,37). Quando julgamos os outros como maus, porque nos ofenderam, devemos aguardar o julgamento de Deus sobre esta nossa atitude. Como Deus nos julgará com sua justiça? O Evangelho de hoje nos dá a norma que Deus seguirá: ... com a mesma medida com que medirdes os outros,   vós também sereis medidos. (Lc 6,38d). Quando condenamos os outros por serem maus ou não, porque não os estimamos, ou talvez odiamos, devemos aguardar também o julgamento nosso por Deus. E como a justiça de Deus se manifestará? Já sabemos: ... com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos. (Lc 6,38d). Isto nos assusta. Mas nos assusta se não estivermos em bom relacionamento com Deus, se estivermos em pecado, com o sentimento de culpa. Pelo contrário, se não julgamos, se não condenamos, se perdoamos, estaremos na paz que só Deus dá e que ninguém pode tirar. Peçamos a Deus esta paz de consciência. Para isto, examinemos nossa consciência sobre nos maus juízos sobre os outros, nossas condenações dos outros, nosso coração endurecido incapaz de perdoar. Sem Deus nada podemos fazer. (Autor: Pe. Valdir Marques, SJ, Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma).

  FONTE: http://www.loyola.com.br/liturgia_diaria.asp?dia=15&mes=1&ano=2018  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Apoio: