Lisaac

Sementes da Palavra, É tempo de semear

«

»

dez 04

VOZ QUE CLAMA NO DESERTO

PAULO DAHER

2º. DOMINGO DO ADVENTO: MANTER VIVA A ESPERANÇA –

*Por Monsenhor Paulo Daher –

Em Isaías, 11, 1-10,  um ramo brotará e o Espírito do Senhor pousará sobre mim. Espírito de sabedoria, de inteligência, de conselho e fortaleza,  de conhecimento e de temor de Deus. Com sua palavra tudo transformará. Os animais se entenderão na  paz sem nenhuma agressão. A sabedoria do Senhor é que tudo iluminará. Será hasteada a bandeira da paz. O Senhor resgatará seu povo.

            Mais uma vez o profeta anuncia os benefícios que o Salvador trará para a vida humana.

                Destaca a influência do Espírito Santo com seus dons.

        Podemos comparar esta ação do Espírito pensando: muitas pessoas tem qualidades, mas às vezes não tem oportunidades de desenvolvê-las. Todos conhecemos alguém que parecia sem capacidade para fazer o que lhe propomos. Mas preparando-o e incentivando-o, muitos desenvolvem o que realmente são, mas que dependiam da oportunidade.

           Pensemos nos apóstolos. Quem eram eles? Pescadores, trabalhadores que buscavam seu sustento no lago. Quem passasse pela Palestina para escolher quem teria mais possibilidade de assumir um trabalho tão importante com Jesus? Deveriam falar ao povo, explicar as escrituras, liderar toda a vida religiosa dele. Certamente um ou outro saberia ler e escrever. E aí? Jesus viu neles qualidades que poderiam ser trabalhadas por ele e por seu Espírito. E assim se tornaram apóstolos, os fundamentos de sua Igreja.

          Todos temos possibilidade de ser missionários de Cristo se nos deixar-nos conduzir por seu Espírito.

             Em reuniões da Legião de Maria, conheci pessoas simples, algumas analfabetas, mas que toda a semana iam de casa em casa levar com simplicidade a mensagem de Cristo a muitas famílias. Rezavam com as pessoas, consolavam os que estavam sofrendo, aconselhavam com simplicidade pessoas afastadas na vida religiosa.

            O segredo é: discípulos de Cristo devem alimentar sua fé, fazê-la crescer com a leitura da Palavra de Deus, com orações, com a confissão e a eucaristia e com uma vontade decidida de fazer Jesus mais conhecido e amado.

            Cristo se vale de qualquer gesto nosso em benefício de pessoas que precisam se ligar mais a Ele. Poderia falar diretamente mas sempre conta conosco, com nossa vontade de anuncia-lo.

Na carta aos Romanos, 15, 4-9, diz o apóstolo: tudo o que foi escrito é para instruir-nos na perseverança, para manter viva a esperança. Que cada um acolha os outros como Cristo, servindo para cumprir as promessas do Senhor. E todas as nações o glorificarão.

            O que sabemos da história da humanidade, em tempos mais antigos passava de pai para filho. Pouco se escrevia porque quase ninguém sabia ler ou escrever. Mas a riqueza da História da Salvação além da tradição oral, dos que guardavam as lembranças dos fatos passados, alguns escreveram. E a partir de Jesus, pela riqueza maravilhosa de sua palavra direta, os evangelistas escreveram a vida, as palavras e tudo o que dizia respeito a Jesus. No começo com dificuldade, depois a partir de um certo tempo a Igreja nos apresentou  toda a História da Salvação do tempo antes de Cristo e após sua vinda ao mundo.

            Muitas famílias conservam lembranças da história de seus membros de muitas maneiras. É uma riqueza pois nossa memória esquece muito.

            Então temos à mão a palavra de Deus que se dirige a cada um de nós, ajudando-nos na fé, e fortalecendo nossa vida religiosa pelas orientações que Deus nos dá e pelos exemplos de tantas pessoas santas.

            A religião não só nos aproxima de Deus, mas fortalece nossa união como irmãos. Temos assim oportunidade de ajudar-nos na simplicidade a caminhar melhor em nossa vida humana comum e em nosso relacionamento com Deus.

            Viver em família já faz um bem muito grande a todos. Ser família, ser irmão pela fé traz-nos mais segurança e laços mais profundos de uma  amizade sincera.

            Quando sentimos numa comunidade a manifestação de fé de adultos de todas as idades, os jovens, as crianças, louvando e bendizendo a Deus, temos mais força e coragem para levar adiante nossa vida comum, nossa convivência com todas as pessoas.

            Aproveitemos mais desta participação em comunidade com alegria.

Em Mateus, 3, 1-12, João Batista pregava no deserto: que todos se convertam, porque o reino dos céus está próximo: preparem os caminhos para o Senhor. João vestia-se com pele de camelo. Comia gafanhotos. E mel. Todos vinham  ouvi-lo à margem do rio Jordão e confessavam seus pecados. Aos fariseus e saduceus  dizia: “Mostrem seus frutos de conversão. Eu batizo com água. Quem vem depois de mim os batizará com o Espírito Santo e com fogo.”

       Deus tem várias maneiras de enviar seus mensageiros. Lendo a missão dos profetas antes de Cristo verificamos a diversidade do chamado.

             João Batista desde antes de nascer foi destinado a ser aquele que iria preparar os caminhos para o Salvador... E crescendo foi se preparando para esta missão. Com uma vida pessoal austera, começando por um tempo de oração no deserto, apresenta-se então às margens do rio Jordão. Convoca o povo para uma mudança de vida, para preparar-se para a chegada do Salvador.

            Jesus nos dirá que João é o último dos profetas que preparou a chegada para o reino de Cristo.

            A palavra nova e forte é: eu batizo com água, mas aquele que vem depois de mim é mais forte que eu. Eu nem sou digno de desamarrar as correias de suas sandálias. Ele vem batizar com o Espírito Santo e com fogo.

             Batizar com o Espírito Santo é uma criação tão forte quanto a criação de cada ser humano. Pois é o sinal eficaz, claro, profundo do amor com Deus marca nossas vidas. Com o fogo, no ardor deste mesmo amor. Não vai ser uma escolha qualquer, um sinal simples. É u´a marca que jamais poderá ser destruída.

              A escolha que Deus faz de cada um de nós como filhos, nunca volta atrás. Nós podemos nos afastar de Deus e até não querermos mais ser seus filhos. Mas Deus, jamais abandona a quem ama.

            Aproveitemos este tempo do Advento para preparar-nos melhor para o Natal. Despojemo-nos do homem velho, e atitudes que não são de filhos nem de irmãos. Contemos com Nossa Senhora para esta caminhada.

______________________________________
*Monsenhor Paulo Daher é Sacerdote da  Diocese de Petrópolis, e colabora enviando gentilmente seus comentários aos textos litúrgicos da semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Apoio: